sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Celulose Riograndense movimentará 1,5 milhão de toneladas pelo porto de Rio Grande




     O superintendente do Porto do Rio Grande, Janir Branco conheceu nesta sexta, 27, o canteiro de obras da Celulose Riograndense, parte do grupo chileno CMPC, em Guaíba (RS). A empresa está expandindo suas atividades no Rio Grande do Sul em um projeto que integrará Guaíba e Rio Grande. O projeto deve movimentar cerca de 1,5 milhões de toneladas de celulose no porto rio-grandino. O superintendente foi recebido pelo diretor-presidente Walter Lidio Nunes (foto). A companhia vem realizando fortes investimentos desde 2012 para aumentar sua operação no estado. Foram aplicados R$ 5 bilhões em três grandes áreas: industrial, florestal e infraestrutura. A ampliação irá triplicar a capacidade de produção da unidade de Guaíba. A produção passará a ser de 1,750 milhão de toneladas por ano e 100% da produção comercializada. A fábrica deverá utilizar o complexo portuário gaúcho como parte de sua logística de produção e transporte, usando a infraestrutura do Porto Novo para escoar sua produção. Rio Grande deverá ter um incremento de 1,5 milhão de toneladas ao ano com o projeto. “A empresa tem um grande canteiro de obras e está realizando fortes investimentos no Rio Grande do Sul. Além de gerar receita para o Porto do Rio Grande também serão movimentados diversos trabalhadores portuários avulsos auxiliando a criação de emprego e renda”, afirmou o superintendente Janir Branco.
    

Paralisação dos caminhoneiros provoca prejuízos à economia gaúcha e brasileira

     O porto de Rio Grande admite que 60% das operações foram paralisadas ontem por causa do bloqueio das estradas pelos caminhoneiros, contra o aumento do preço do diesel, o limite na jornada de trabalho e as condições das rodovias. Os problemas começam na chegada de carretas até o embarque de cargas nos navios. O Tecon local comunica que o recebimento de produtos está bem abaixo da média e que a queda impactará no movimento de fevereiro. Os prejuízos atingem também os produtores e as indústrias de leite e laticínios que deixaram de recolher quatro milhões de litros na quinta-feira, de um total de 13 milhões de litros processados diariamente. A produção de grãos está reduzida porque as lavouras não estão conseguindo receber o diesel para as máquinas. O movimento dos caminhoneiros ignorou a proposta do governo federal e mantém os bloqueios em diversas BRs, especialmente nos estados do Sul, os mais atingidos pela greve, mesmo com ordem da Polícia Rodoviária Federal para a liberação das pistas. O governo, em represália, ameaça com multas para cada caminhoneiro que tiver se caminhão em situação irregular nas estradas. Assessores do Palácio do Planalto, que não quiseram se identificar, revelam que o governo admite dificuldade e erros na negociação.O fato é que hoje mais de quatro mil caminhoneiros permaneceram concentrados em estradas como a BR-101, principalmente em Três Cachoeiras, conhecida como a cidade dos caminhões. Levantamento da PRF indica que existem bloqueios ou concentração de caminhoneiros em pelo menos 60 pontos de estradas federais em todo o Brasil.

Setor de franchising de alimentação cresce 6,8% em 2014, com faturamento de R$ 25 bilhões



     O setor de alimentação, um dos mais expressivos e consolidados no franchising brasileiro, continua crescendo, mas em um ritmo menor. Em 2014, o segmento atingiu o faturamento de R$ 25,6 bilhões no mercado de franquias do Brasil, representando um crescimento de 6,8%, de acordo com a Associação Brasileira de Franchising (ABF). Segundo o balanço anual realizado pela entidade, o setor cresceu 7,7% em 2014, atingindo o faturamento de R$ 127,3 bilhões. Só no ramo de alimentação, o número de marcas no Brasil teve um aumento de 7,5% e em unidades de 8,4%. 
Com base nos dados do mercado de alimentação, destacaram-se as redes, Los Paleteros, Patroni e Let’s Eat, que tiveram um crescimento audacioso em 2014. A Los Paletero foi uma das marcas que ganhou destaque no segmento de franchising após a explosão do mercado de paletas. A rede, que havia faturado R$ 6,3 milhões em 2013, conquistou um faturamento de R$ 70 milhões e vendeu cerca de 10 milhões de paletas em 2014. Para 2015, a marca irá dobrar de tamanho ao implantar 75 novas unidades. Além disso, a rede irá apostar em parcerias de co-branding que visam o lançamento de sabores diferenciados. "O mercado de sorvetes cresceu 70% nos últimos cinco anos e há uma aposta de aumento de 24% nos próximos quatro anos. Hoje já contamos com uma aceitação de 95% dos nossos consumidores, o que reforça nossa expectativa em relação à expansão dos negócios", explicam os sócios Gilberto Verona e Gean Chu, que estão à frente da marca. A Patroni, maior do segmento de pizzarias no Brasil, completou 30 anos e anuncia a abertura de 95 novas unidades. A Let's, rede de hamburgueria e comida mexicana, que já fatura aproximadamente R$ 700 milhões por mês, pretende crescer 80% em 2015.

Porto de Rio Grande recebe o navio Regatta com 663 passageiros e 394 tripulantes a bordo



     O navio de passageiros Regatta atracou nesta sexta (27), no porto de Rio Grande (RS), com 663 passageiros a bordo, que foram recepcionados com danças gaúchas e artesanato local. A embarcação de bandeira das Ilhas Marshall conta com 394 tripulantes e fez sua primeira parada no Brasil nesta rota. Os passageiros passearam pelo centro histórico rio-grandino.  A administração do terminal gaúcho recepcionou o Regatta com apresentações artísticas do Centro Cultural Nativista Sentinela do Rio Grande. O grupo realizou apresentações de danças e músicas típicas gaúchas. O navio partiu da Argentina e passará por diversos trechos da costa brasileira. Cerca de 250 pessoas deixaram o navio para visitar a cidade. A maior parte do grupo de passageiros do Regatta é de origem norte-americana. O Porto do Rio Grande recebe, em média, seis navios de passageiros por temporada de verão.  Para o primeiro semestre de 2015 ainda estão previstas duas atracações similares, dias 6 e 25 de março.

Governador José Ivo Sartori anuncia nova diretoria do Badesul

     O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori, anunciou os nomes dos novos diretores do Badesul, a agência gaúcha de fomento. A presidência ficou com Susana Kakuta, ficando a vice-presidência com Peri Coelho. Os outros diretores nomeados foram Jeanette Halmenschlager Lontra, os ex-deputados Kalil Sehbe, do PDT, Paulo Odone, do PPS e Mano Changes, do PP (foto).

Exportações gaúchas recuam 10% em janeiro, mas estado mantém 4ª posição no país

     As exportações do Rio Grande do Sul alcançaram US$ 966,6 bilhões em janeiro, uma queda de 10% na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo revelou estudo da FEE (Fundação de Economia e Estatística do Estado). Mesmo assim, o RS manteve a quarta posição entre os exportadores brasileiros, com participação de 7% do total das vendas externas do país. A liderança, mais uma vez, ficou com São Paulo, com 23,1%, seguido de Minas Gerais, com 13,9% e do Rio de Janeiro, com 10,7%. O dado positivo foi a recuperação do agronegócio gaúcho, especialmente em virtude das exportações de trigo, que somaram 459,2 mil toneladas, proporcionando receitas de US$ 92 milhões. Os principais destinos do grão foram a Tailândia, Bangladesh, Vietnã, Filipinas e Coréia do Sul. Ao todo, os maiores compradores de produtos do estado foram a Argentina e os Estados Unidos.

Antaq comemora 13 anos prometendo fortes investimentos em 2015

     A Antaq (Agência Nacional de Transporte Aquaviário) comemorou o 13º aniversário de fundação, em solenidade realizada na sua sede, em Brasília (DF), que contou com a participação do ministro-chefe da Secretaria dos Portos, Edinho Araújo e outras autoridades. Na oportunidade, o diretor-geral da agência, Mário Povia, destacou a maturidade conquistada pela autarquia nesses treze anos, ressaltando a produção de dados estatísticos sobre o setor aquaviário: “Dificilmente, um estudo que contenha relativa densidade, desenvolvido no âmbito do setor portuário, ou na área de navegação, não terá como fonte primária um determinado dado estatístico com origem na Antaq, afirmou. “Mais recentemente, também conseguimos avançar no sentido de disponibilizar as estatísticas em um espaço de tempo mais curto, de tal modo que, em apenas um mês e meio, estamos entregando ao mercado os dados do setor aquaviário do ano anterior, já devidamente consolidados. Isso é motivo de muito orgulho para nós”, explicou. O dirigente também ressaltou a qualidade da interlocução com o mercado, conquistada ao longo de mais de uma década: “A Antaq conversa muito com os diversos entes que compõem o setor regulado, com os órgãos de governo que formulam as políticas públicas setoriais, com os empreendedores e com os usuários do setor. Esse é um ativo da agência que prezamos muito e que entendo ser uma das suas grandes qualidades”, salientou. Segundo o diretor-geral, 2015 será um ano de fortes investimentos no setor aquaviário, sobretudo no campo das obras de infraestrutura. “Haveremos de conseguir desatar os nós e romper as impedâncias para que os empreendimentos finalmente deslanchem. A Antaq tem se preparado para conduzir esse processo de forma adequada, célere e objetiva, quer na área de outorgas, quer no campo da regulação, onde encontra-se atualmente o maior desafio da Agência”, assegurou.

Presidente Dilma inaugura parque eólico no Rio Grande do Sul

     A presidente Dilma Rousseff inaugura essa tarde o parque eólico Geribatu, em Santa Vitória do Palmar (RS), que acrescentará mais de 30%  na produção eólica do estado, com 258 megawatts de capacidade instalada, gerando energia capaz de abastecer 1,5 milhão de pessoas. O sistema de transmissão que escoará a energia produzida no extremo sul do Brasil integrará a Zona Sul do Rio Grande do Sul ao sistema interligado nacional também será entregue na oportunidade. Após a cerimônia de inauguração, Dilma seguirá para o Uruguai, onde participará da inauguração de um parque eólico em Colônia no sábado e prestigiará, domingo, a posse do presidente Tabaré Vasquez, em Montevidéu, que substituirá José Mujica. Na capital uruguaia, a chefe do executivo brasileiro deverá manter reunião com o vice-presidente dos Estados, Joe Biden, que também estará presente na posse do novo presidente do país vizinho. O encontro é visto como mais um sinal de aproximação entre o Brasil e os Estados Unidos.

Movimentação nos portos brasileiros cresce 4% em 2014

     O Anuário Estatístico da Antaq (Agência Nacional de Transportes Aquaviários) apontou um crescimento no volume total das cargas movimentadas no ano passado de 4%, apesar do fraco desempenho da corrente de comércio durante 2014. O país movimentou por via marítima 969 milhões de toneladas de cargas, das quais 349 milhões de toneladas em portos organizados e 620 milhões em TUPs (Terminais de Uso Privado). O incremento revelado pelo estudo foi atribuído ao crescimento da movimentação das principais commodities, como o minério de ferro, que teve expansão de 5% em relação a 2013, fertilizantes e adubos (11%), carvão mineral (26%), alumina (12%) e soja (4%). De acordo com o anuário, as principais mercadorias movimentadas no ano passado foram minério de ferro, combustíveis/óleos minerais, contêineres, soja, bauxita, milho, fertilizantes e adubos, que representaram, respectivamente, 36%, 21%, 11%, 5%, 4%, 3% e 3% do total da carga movimentada em 2014. Considerando-se o tipo de carga, o granel sólido, com destaque para o minério de ferro, foi a carga mais movimentada no conjunto das instalações portuárias do pais, em 2014, representando 61% do total, seguido do granel líquido, com 24% de participação, e da carga geral, com 15%. Quando se separam os contêineres da carga geral, eles representaram 11% do total movimentado no ano passado. O porto de Santos (SP) foi o que mais movimentou carga em 2014, com 27% de participação do total movimentado no conjunto dos portos organizados. Em segundo lugar, aparece Itaguaí (RJ), com 18% do total, seguido de Paranaguá (PR), com 12%, Rio Grande (RS), com 6% e Itaqui (MA), com 5%. O porto paulista foi também o que mais movimentou contêineres (33 milhões de toneladas). Os dez portos organizados que mais movimentaram carga em 2014 participaram com mais de 85% do total das cargas que passaram por esse tipo de instalação portuária. Com relação aos TUP’s, a liderança ficou com o Terminal Marítimo de Ponta da Madeira, no Maranhão, que movimentou 112,5 milhões de toneladas de carga em 2014. Em segundo lugar, aparece o Terminal de Tubarão, com 109,8 milhões de toneladas e, em terceiro lugar, o Terminal Almirante Barroso, com 53 milhões de toneladas.

Caminhoneiros em Santos não aceitam acordo com o governo federal

     Um grupo de mais de cem caminhoneiros autônomos, insatisfeitos com o acordo fechado com o governo federal, fizeram uma passeata pacífica na tarde de ontem (26) no cais do porto de Santos. O protesto foi organizado pelo sindicato local da categoria, que afirma não ter sido notificado do acordo com o Palácio do Planalto. As reivindicações são tabelamento do valor dos fretes e redução do preço do óleo diesel e do pedágio, com a suspensão do pagamento pelos eixos suspensos. O protesto causou lentidão na rua Augusto Barata, paralela ao cais, e no viaduto do Alemoa, que liga a rodovia Anchieta ao porto. O governo federal se comprometeu a manter congelado por seis meses o preço do diesel. Com o acordo, o tráfego de caminhões começou a retornar à normalidade a partir de hoje, mas deixando prejuízos para diversos segmentos, com a morte de animais e perda de produtos que se deterioraram nos dias do bloqueio.

Pesquisa da CNI indica que produção industrial cresceu em janeiro

     A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou seu índice de produção industrial, que ficou em 42,7 pontos em janeiro, ante resultado de 38,3 pontos em dezembro. Os dados estão na pesquisa mensal “Sondagem Industrial”. Apesar da alta entre o último mês de 2014 e janeiro deste ano, o índice está abaixo da linha dos 50 pontos, o que representa queda, menos acentuada, na produção em relação ao mês anterior. “Os dados da Sondagem Industrial mostram continuidade do quadro de desaquecimento da atividade, conforme mostra o índice de utilização da capacidade instalada efetiva em relação ao usual”, avaliou, em nota, a CNI. O indicador do número de empregados na indústria foi de 44,4 pontos no último mês, ante 44,2 pontos em dezembro e 48 pontos em janeiro de 2014. O porcentual médio de Utilização da Capacidade Instalada (UCI) por sua vez caiu para 67% no mês passado, ante 68% em dezembro. Em relação a janeiro de 2014, a UCI também caiu já que ela estava em 70% no primeiro mês de 2014.
O indicador relativo à utilização de capacidade efetiva-usual, que considera o UCI comum para o mês, fechou dezembro em 38,5 pontos, frente a 38,6 pontos em dezembro. Os estoques permaneceram estáveis na virada do ano, de acordo com a CNI. O índice de evolução de mercadorias estocadas foi de 50 pontos no último mês. Em dezembro, esse indicador foi de 47,5 pontos. O resultado levou os estoques a permanecerem estáveis em relação ao esperado para o mês. O indicador de estoques efetivos/planejados foi de 50,5 pontos no último mês, mesmo resultado apurado em dezembro de 2014. Foto: Robson Andrade, presidente da CNI.

Asia Shipping realiza exportação de ônibus chineses que estavam em teste em Curitiba


     Os dois ônibus híbridos de propulsão elétrica, fabricados pela CSR Times Electric Co, na China, que passaram por um período de dois anos de testes nas ruas de Curitiba (PR),  foram levados de volta para Shangai. O processo de exportação foi integralmente conduzido pela Asia Shipping e a previsão de chegada dos veículos na cidade chinesa é 23 de março, depois de uma operação de transbordo em Bremerhaven, na Alemanha. Os dois ônibus chegaram a Curitiba em 2013, desembarcando no porto de Paranaguá. O objetivo era serem testados, uma vez que são dotados de tecnologia diferenciada. São veículos híbridos com tração 100% elétrica, têm um motor a diesel, mas em regime de baixas emissões.
Para a exportação dos dois ônibus de Curitiba para Shangai, a companhia cuidou do desembaraço aduaneiro já em Curitiba, depois os dois coletivos seguiram em transporte rodoviário até o porto no Guarujá, na Santos Brasil, para embarque no navio.

FM Logistic tem novo diretor de transportes no Brasil



O engenheiro de produção Luís Fernando Martinez assumiu o cargo de Diretor de Transportes da FM Logistic, companhia especializada em supply chain, passando a comandar o projeto de entrada da empresa no segmento de transportes. O executivo tem especialização também em finanças pela Business School São Paulo (BSP). Martinez acumulou experiência na área de transporte multimodal e distribuição e atuou em grandes operadores logísticos e outras organizações, como 3M, Chevron, Grupo Votorantim, Log-In Logistica Intermodal, Grupo TPC e Walmart. Na FM Logistic, Martinez irá coordenar as atividades de transportes que a empresa planeja implantar no Brasil. Entre os negócios da FM Logistic ao redor do mundo, o setor de transportes responde por quase 340 mhões de euros. Dos mais de 18 mil colaboradores da FM Logistic em todo o mundo, 34% estão dedicados atualmente à área de transportes da empresa, que faz mensalmente mais de 1,5 milhão de entregas em 12 países na Europa, Ásia e América do Sul (Brasil).

África do Sul comunica abertura do mercado à importação de carne do Brasil


     As autoridades sanitárias da África do Sul comunicaram ao governo brasileiro a decisão de reabrir o mercado daquele país às compras do Brasil de carne bovina desossada, bem como o recebimento da confirmação dos estabelecimentos nacionais produtores de carne suína in natura para processamento que poderão exportar àquele país. A África do Sul havia embargado a entrada desses produtos em 2005, pela ocorrência de febre aftosa e em 2012, pelo caso atípico de encefalopatia espongiforme bovina (EEB) no Brasil. Seguiram-se negociações sanitárias do Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária), em parceria com o MRE (Ministério das Relações Exteriores, e também a Embaixada do Brasil em Pretória, para a reabertura desse mercado, as quais ganharam novo impulso com a designação de Adido Agrícola, para representar os interesses do agronegócio brasileiro naquele país em 2010. A atividade do Adido Agrícola beneficiou-se, ainda, do trabalho da Missão do Brasil junto à OMC (Organização Mundial do Comércio) e da atuação do Adido Agrícola em Genebra. A partir desta abertura, o Mapa espera que o Brasil consiga exportar US$ 7 milhões anuais em carne suína e US$ 12 milhões em carne bovina para os sul-africanos, diversificando ainda mais os destinos do agronegócio, em especial a carne suína, setor em que as exportações brasileiras são concentradas em poucos mercados. O acesso ao mercado da África do Sul também pode levar à abertura de mercados em outros países do continente como os dos membros da União Aduaneira Sul Africana (SACU). Imagem: Cidade do Cabo.